Formas de Utilização de plantas medicinais

   As partes utilizadas das plantas são as raízes, as cascas, as folhas, os frutos, os ramos, as sementes e as flores, podendo ser frescas ou secas.
   Banho– faz-se uma infusão ou decocção (veja a seguir) mais concentrada que dever ser coada e misturada na água do banho. Outra maneira indicada é colocar as ervas em um saco de pano firme e deixar boiando na água do banho. Os banhos podem ser parciais ou de corpo inteiro, e são normalmente indicados 1 vez por dia.
   Cataplasma – são obtidas por diversas formas:
   • Amassar as ervas frescas e bem limpas, aplicar diretamente sobre a parte afetada ou envolvidas em pano fino ou gaze.
   • As ervas secas podem ser reduzidas a pó, misturadas em água, chás ou outras preparações aplicadas envoltas em pano fino sobre as partes afetadas.
   • Pode-se ainda utilizar farinha de mandioca ou fubá de milho e água, geralmente quente, com a planta fresca ou seca triturada.
   Compressa – é uma preparação de uso local (tópico) que atua pela penetração dos princípios ativos através da pele.
   Gargarejo – chá preparado por decocção ou infusão, usado para combater afecções da garganta, amigdalite e mau hálito.
   Inalação – chá forte de ervas aromáticas que utiliza a combinação do vapor de água quente com aroma das substâncias voláteis das plantas aromáticas, é normalmente recomendada para problemas do aparelho respiratório.
   Lavagem – os chás podem ser utilizados em distúrbios digestivos, lavagens intestinais e ginecológicas.
   Óleos – são feitos na impossibilidade de fazer pomadas ou compressas. As ervas secas ou frescas são colocadas em um frasco transparente com óleo de oliva, girassol ou milho.
   Pós – a planta é seca suficiente para permitir sua trituração com as mãos, peneirar em frasco bem fechado. As cascas e raízes devem ser moídas até se transformarem em pó.
   Saladas – Podem ser consumidas frescas ou com outros alimentos. Lavar bem as ervas em água corrente antes de consumi-las.
   Suco ou sumo – obtém-se o suco espremendo-se o fruto ou as folhas da erva e o sumo ao triturar uma planta medicinal fresca num pilão ou em liquidificadores e centrífugas.
   Tintura-maneira mais simples de conservar por longo período os princípios ativos de muitas plantas medicinais, através da maceração das plantas a frio, em álcool de cereais a 60º ou a 70º C.
   Tisana – Prepara-se este tipo de chá colocando-se água numa panela e, quando estiver fervendo, acrescenta-se a planta.
   Unguento e pomada – De uso externo a pomada pode ser preparada com o sumo da erva ou chá mais concentrado misturado com mistura de erva com substância gordurosa (banha animal, gordura de coco ou vaselina na forma líquida).
   Vinho medicinal – vinho no qual é adicionado ervas frescas.
   Xarope – Calda com açúcar a qual se adicionam as plantas, de preferência frescas e picadas, em fogo baixo. Coar e guardar em frasco de vidro. O xarope também pode ser preparos com tinturas. Se preferir, substitua o açúcar pelo mel. Não se deve colocar no chá aquecido. Não é aconselhável o uso do mel para crianças menores de 2 anos de idade. Deve ser guardado por no máximo 15 dias na geladeira e descartado quando apresentar sinais de fermentação (bolhas).

Posts relacionados

O que é Herbalismo e a definição de Ervas

Como preparar Chás Medicinais

Medidas usadas para chás

Coleta, secagem e compra de ervas medicinais

Referências:

www.cpafro.embrapa.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s